ARMINIANISMO PRAGMÁTICO

por Pastor Flávio Silva

Nas igrejas evangélicas, práticas cada vez mais pragmáticas de que a salvação está nas mãos do homem, têm dominado o cenário do evangelicalismo. Práticas como o “convite para ir a frente” (originada em Charles Finney), a repetição da “oração do pecador”, a tentativa de impressionar o ouvinte por meio da música, o teatro, e outras coisas mais são cada vez mais dominantes. Muitos até realizaram uma mistura entre elementos do calvinismo e do arminianismo. Um exemplo pode ser encontrado em D. L. Moody. Este foi o mais famoso evangelista norte-americano dos últimos anos do Século XIX. Pregou o evangelho a grandes multidões.


O mesmo pode se dizer de outros famosos evangelistas do Século XX, como por exemplo, Billy Graham, aniversariante do mês (97 anos). Graças ao uso dos meios eletrônicos e as facilidades de locomoção, grande quantidade de pessoas o ouviram pregar. Entretanto, fruto da influência do arminianismo, a ênfase da mensagem deste e outros evangelistas é que o pecador toma a decisão, deve ir a frente, repetir a oração do pecador, e assim por diante. E, quando tal pessoa se submete a tal coisa, ela é denominada de crente fervoroso. E, caso tenha alguma dúvida, é o diabo tentando desencaminhar. O arminianismo pragmático tem produzido grande quantidade de conversões em todo lugar. É esse tido de ‘doutrina’, que tem dominado muitas igrejas evangélicas também em nossa época. É impressionante que a maioria são arminianos, e nem sequer sabem que o são. Por que isto acontece? Porque em muitos casos o crescimento tem sido acompanhado de um desinteresse pelo estudo sério das Sagradas Escrituras, da Teologia, e da História da Igreja.