DEUS SE REVELA A NÓS, GENTIOS, DANDO-NOS A ESPERANÇA DA GLÓRIA EM CRISTO

por Pastor Flávio Silva

O Apóstolo Paulo em capítulo um de sua carta aos Colossenses faz uma afirmação graciosa. No versículo 27, ele escreve que Deus escolheu dar a conhecer aos gentios as riquezas da glória do mistério oculto pelos séculos.
Ao longo de todo o Antigo Testamento a única nação a quem Deus se revelou com a revelação especial foi Israel. Como Ele disse em Amós 3:2a “De todas as famílias da terra somente a vós outros vos escolhi…”

Por causa de sua relação única com o Senhor muitos dos judeus desprezavam os gentios. Afinal de contas, eles tinham uma relação especial com o Senhor. Eles tinham uma relação que os romanos, mesmo com todo o seu poder militar, certamente não tinham. Eles tinham uma relação que os gregos em todo o seu conhecimento filosófico, não tinham. Eles se consideravam os verdadeiros descendentes de Abraão; eles reivindicavam sua relação única com o Senhor com grande orgulho.
Mas agora o apóstolo está indicando no verso 27 que o evangelho foi, não apenas para Israel, mas para todas as nações, isso inclui os gentios. Deus escolheu dar a conhecer aos gentios as riquezas da glória do mistério oculto dos séculos e das gerações, que é Cristo neles, a esperança da glória.
Os gregos que haviam se afundado em suas filosofias agora estavam recebendo as verdades do evangelho. Os romanos, com todo o seu poderio militar estavam agora vendo o poder do evangelho em suas vidas. Samaritanos que tinham sido ridicularizados como cidadãos de segunda classe, agora estavam no mesmo nível que os judeus. Romanos, gregos e todas as outras nacionalidades sendo uma em Cristo.
Como o apóstolo tinha explicado à igreja Efésios, em Efésios 2:11 e os versos que se seguem – “…vós, gentios na carne, chamado de incircuncisão por aqueles que se intitulam de circuncisos, na carne, por mãos humanas, naquele tempo, estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel, e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo. Mas agora em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, fostes aproximados pelo sangue de Cristo. Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos fez um; e, tendo derrubado a parede da separação que estava no meio, a inimizade …” Judeus e gentios estão agora juntos, algo inédito no primeiro século, quando houve tanta inimizade entre eles.
A realidade que o Senhor chama pessoas para si mesmo de toda nação, de toda tribo, língua. O evangelho é para todo o mundo, embora não para todos do mundo. Não apenas para uma nação, ou apenas uma classe de pessoas. O evangelho sai transformando vidas.
Mas antes de chegar as riquezas da glória de Cristo entre eles, o apóstolo Paulo escrevendo sua carta aos Colossenses no capítulo 1, fala sobre o sofrimento. Mas, ele não fala sobre o sofrimento no contexto de decepção, tristeza ou amargura. Em vez disso, ele fala sobre o sofrimento no contexto de regozijo. Ele escreve: Agora me regozijo nos meus sofrimentos por vós; e preencho o que resta das aflições de Cristo, na minha carne, a favor do seu corpo, que é a igreja. (v. 24).
Esta declaração, eu preencho o que resta das aflições de Cristo, na minha carne, a favor do seu corpo, que é a igreja. Alguns ensinam que o sofrimento de Jesus não redimiu os nossos pecados o suficiente; temos de sofrer ainda mais, a fim de concluir esse trabalho expiatório. A partir do contexto de Colossenses 1 vemos claramente que esse não é o caso. Paulo apontou a superioridade e primazia de Jesus Cristo.

Paulo deixou claro que somos reconciliados com o Pai através de Cristo e que Cristo é mais do que suficiente para ser nosso único Redentor e Salvador.
O que então significa quando Paulo escreve sobre regozijo no seu sofrimento e “preencho o que resta das aflições de Cristo, na minha carne, a favor do seu corpo, que é a igreja.”? Ele está apontando que o ódio e a inimizade do mundo é destinado a Cristo. Mas uma vez que Cristo não está mais na terra, a igreja seu corpo na terra será perseguida em seu lugar.
Foi por isso que Paulo sofreu no primeiro século. Essa é a essência do que Paulo está falando em vs 24, Agora me regozijo nos meus sofrimentos por vós; e preencho o que resta das aflições de Cristo, na minha carne, a favor do seu corpo, que é a igreja.
Não são apenas os cristãos nos países islâmicos que sofrem por serem cristãos. A partir desta passagem, vemos que o sofrimento por amor do evangelho é inevitável para o verdadeiro cristão. Jesus ensinou claramente que, o mundo perseguirá, ele iria perseguir aqueles que seguem a Cristo. Esta verdade é tecida ao longo das Escrituras. Como Paulo disse a Timóteo, todos os que querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos (2 Timóteo 3:12).
Se vivemos, realmente, o cristianismo verdadeiro em um mundo caído, então nós também compartilhamos o sofrimento de Cristo. Como Filipenses 1:29-30 diz, “Porque vos foi concedida a graça de padecerdes por Cristo, e não somente de credes nele, pois tendes o mesmo combate que viste em mim e ainda agora ouvis que é meu.”
E quando sofrermos por amor a Cristo com a hostilidade da mídia contra o cristianismo e porque acreditamos e lutamos para aplicar os mandamentos de Deus como forma de gratidão, sinta-se alegre.
Nas páginas do Novo Testamento, vemos repetidamente crentes sofrendo por causa de Cristo considerando tal coisa uma honra. Por exemplo, em Atos 5:41, lemos como os apóstolos foram perseguidos por pregar o evangelho. Eles foram levados perante o Sinédrio e foram ameaçados de morte, eles foram açoitados. Lucas escreve: Os apóstolos saíram do sinédrio, regozijando-se por terem sido considerados dignos de sofrer afronta pelo nome de Jesus.
Jesus disse, “Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, “porque deles é o reino dos céus” (Mateus 5:10)
Havia muitos falsos mestres em Colossos que estavam bombardeando o que Paulo chama no verso 5 de “a palavra da verdade, o evangelho”. Os falsos mestres estavam dizendo que era preciso algo a mais do que o evangelho que Epafras havia trazido à igreja de Colosso. Os falsos mestres estavam mais do que dispostos a abastecer com literatura enganosa, seu ensino sobre a adoração a anjos, e outros falsos ensinos que queriam que fossem acrescentados a palavra da verdade, ao evangelho.
Vimos que o mesmo esforço ainda é feita por muitos falsos mestres hoje. No entanto, também vimos como a palavra de Deus é suficiente; chamamos isso de “a suficiência das Escrituras.” Com isso queremos dizer que tudo o que precisamos saber sobre a nossa condição pecaminosa, e o único Salvador Jesus Cristo, está na palavra da verdade que Deus nos deu. A Bíblia é realmente suficiente.
Paulo continua no versículo 26 descrevendo como a palavra de Deus é o mistério que esteve oculto durante épocas e gerações, mas agora foi revelado aos santos. A palavra “mistério” era frequentemente usada pelos falsos mestres em Colossos. Eles estavam tentando convencer os cristãos de que a verdade do evangelho não era suficiente em seu culto a Deus. A congregação em Colossos estava sendo bombardeada pelos falsos mestres que ensinavam que o mistério era revelado somente para determinadas pessoas.
Mas Paulo toma a palavra “mistério”, que tinha sido usada para enganar as pessoas, para ensinar a natureza progressiva da revelação de Deus. “Mistério”, como Paulo usa o termo, refere-se a uma verdade que teria permanecido desconhecida se Deus não tivesse revelado.
Como exemplo, no Antigo Testamento, Moisés foi ordenado por Deus para fazer uma serpente de bronze e colocá-lo em um poste no acampamento. A razão foi porque cobras venenosas tinham chegado ao acampamento como um julgamento sobre as pessoas se queixavam e pecaram contra Deus. Mas Deus tinha dito a Moisés “Faça uma serpente e coloque-a em um poste; quem for mordido e olhar para ela e viverá.” Então Moisés fez uma serpente de bronze e colocou-a em um poste. Quando alguém era mordido por uma serpente e olhava para a serpente de bronze, ele vivia.
Essa passagem, tomada por si só, é um mistério. Por que Deus mandou fazer aquela serpente de bronze colocada em um poste? Do Novo Testamento, vemos que o mistério que havia sido mantido escondido para as gerações foi revelado aos santos – nas palavras do versículo 26 – foi tanto cumprida e explicada pelo próprio Jesus. Para em João 3:14-15, lemos como Jesus relacionou o incidente diretamente para si mesmo. Ele disse a Nicodemos: “Assim como Moisés levantou a serpente no deserto, assim o Filho do Homem seja levantado, para que todo aquele que nele crê tenha a vida eterna.”
Esse é um exemplo do que Paulo está falando no versículo 26. Os tipos e sombras do Antigo Testamento são vistos com clareza através de seu cumprimento no Novo Testamento. A palavra “mistério” neste sentido bíblico refere-se as verdades que teriam permanecido desconhecidas mas Deus as revelou a nós em Sua Palavra.
O propósito de Deus em revelar-Se a nós é para que, pela Sua graça, Cristo habita em nós, dando-nos a esperança da glória (v. 27).
Eu não sei o que pode acontecer em sua vida. Que esperança você tem, por meio do chamado de Deus no emprego? Ou no namoro? Ou no casamento?
Seja jovem ou velho nossas vidas são dadas muitas esperanças, sobre a saúde, emprego, ou a orientação para os nossos filhos e netos. Mas não importa, não há maior esperança do que a esperança da glória que o versículo 27 fala.
Quando a Bíblia fala de esperança, ela não usa a palavra como você e eu costumamos fazer. Para nós é algo que gostaríamos de ver acontecer no futuro, mas não temos certeza se vai acontecer. Por outro lado, quando a Bíblia fala sobre a esperança – como no versículo 27 – a esperança da glória, ele está falando sobre uma realidade.
A esperança que temos é uma realidade, porque se baseia em nossa fé em Jesus Cristo. Nas palavras de 1 Pedro 1:3, “segundo a sua muita misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança mediante a ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível , sem macula, imarcescível, reservada nos céus para vós outros.”
É somente pela fé em Jesus Cristo, que você e eu temos Cristo em nós, a esperança da glória. É somente pela fé em Jesus Cristo que você e tenho a certeza do perdão dos nossos pecados. E é somente pela fé em Jesus Cristo que temos a garantia – a esperança da glória – a vida eterna no céu.
No versículo 28, Paulo escreve: “A qual nós anunciamos, advertindo a todo homem e ensinando a todo homem em toda sabedoria, a fim de que apresentemos todo homem perfeito em Cristo;” E no versículo 29 Paulo aponta que ele anuncia Cristo, e não por sua força, mas pela graça do Espírito Santo de Deus trabalhando dentro dele.
Desses versículos somos lembrados de que Cristo deve ser central em nossas vidas e na pregação da nossa igreja. Paulo escreve: Nós proclamamos Ele. Por sua vez, devemos nos perguntar: Eu sou uma carta de Cristo conhecida e lida por todos? Quando outros olham para mim e para a conduta da minha vida, eles vêm Jesus Cristo que vive em mim? A minha vida verdadeiramente anuncia a Cristo?”
A palavra traduzida como “perfeito”, a forma mais precisa é “maduro.” Vamos atingir a perfeição na vida futura, pela graça de Deus. Mas nesta vida, apesar de não atingir a perfeição, cada um de nós deve ter desejo de ser maduro em nosso relacionamento com o nosso Salvador e Senhor. Cada um de nós deve ter fome e sede de justiça. Cada um de nós deve desejar saber mais sobre Aquele que ofereceu a si mesmo por nós que através da fé Nele temos a esperança da glória – Cristo em nós.
A nossa maneira de tornar-se maduro é através do estudo fiel da Palavra de Deus. Na igreja no domingo, durante a semana nos estudos bíblicos da igreja, e através da nossa meditação da palavra de Deus em casa que somos admoestados e ensinados com toda a sabedoria, como o versículo 28 diz. É por isso que é tão importante ser crentes apegados a Palavra de Deus. Não há crente forte sem se alimentar da Palavra de Deus. E, por outro lado, é a palavra de Deus que nos dá tão grande conforto e segurança. Assegura-nos, como o Espírito Santo trabalha através da Palavra, que pela graça de Deus através da fé em Jesus Cristo.